Seguidores

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Labor day

Hoje é o dia do trabalho nos Estados Unidos, um país onde se tem trabalho! Onde as pessoas são dignamente pagas para fazer qualquer trabalho!
Aqui também é feriado, mas quase todo o comércio está aberto, porque há demanda, porque a economia gira.
Acordei hoje pensando nas diferenças deste dia aqui e no Brasil. Em tempos onde alguém ousa discutir a péssima e engessada legislação trabalhista brasileira, fruto de um populismo barato que  só burocratiza, onera e faz a taxa de emprego despencar.
Tenho visto um monte de gente falando em querem tirar os direitos conquistados pelo trabalhador".. blablabla.. primeiro que eu não considero que o FGTS seja propriamente um "direito"... que direito é esse que eu, dona do dinheiro não posso escolher onde aplicá-lo e preciso do aval do governo para usufruir do MEU dinheiro, que é absurdamente mal remunerado enquanto descansa em berço esplêndido na Caixa Econômica federal?
E que direito é esse de uma aposentadoria pífia, que até em discurso pedindo a manutenção dos direitos políticos da presidEnte é escancaradamente dita insuficiente ( e olha que estavam falando de uma aposentaria incomum, de 5 mil reais!)
Dignidade não é manter "direitos" duvidosos. Dignidade é pagar bem!
Dignidade é ter um trabalho que pague suas contas. Dignidade é não ter essa de sub-emprego.
Aqui minha faxineira cobra $100 dólares por faxina, faz 2 por dia. O carro dela é tão bom quanto o meu, ela mora perto da minha casa, uma área nobre de Houston. Fomos juntas a um show do Guns n' Roses - eu de arquibancada, ela de pista VIP.
Aqui , se eu quiser fazer a unha em salão, pago bem pelo serviço. Hoje, dia do trabalho, o salão estava cheio e eu deixei lá $57 dólares para ter pés e mãos alisados, cutilados e unhas pintadas por outra pessoa.
Aqui o jardineiro ganha bem, o atendente do McDonald ganha o suficiente para se manter e ninguém, sente falta de 13o. salário - até porque o salário normalmente é pago por semana e se você dividir o ano em semanas, verá que o décimo terceiro só regula essa conta.
"Ahhh mas não tem 1/3 de férias!" É verdade... não tem, mas as passagens de avião são baratas, as estradas excelentes, com o dinheiro que você ganha, você consegue passar férias incríveis!
Aqui também não tem essa de "garantia", de indenização por demissão sem justa causa. Se algum lado não está satisfeito, bye bye! A diferença é que eu não conheço ninguém que tenha ficado muito tempo desempregado, porque se você quiser trabalhar, você trabalha!
Ano passado, quando chegamos aqui ficamos impressionados como em quase todos os lugares que entrávamos tinha uma plaquinha de "We are hiring" - "estamos contratando", enquanto via estarrecida no facebook um post de um menino que andava por Ipanema em 2 quarteirões fotografou 80 lojas com a plaquinha "passo o ponto" ou "vende-se/ aluga-se"
Crise das comodites? Não caio nessa! Irresponsabilidade e falta de respeito com o trabalhador e principalmente com o ser humano, isso sim!
Ontem, num papo acalorado  me desejaram "boa sorte", por eu acreditar que o "superimperialismo" e as privatizações trazem mais benefícios e empregos do que "maldade", e eu repito aqui a minha resposta para isso :
Num lugar onde se tem trabalho, a sorte não é artigo de primeira necessidade!
Torço muito para que o povo brasileiro, que nunca teve medo de trabalhar (vide a quantidade de gente na informalidade), perceba que esses "direitos" não farão nenhuma falta quando o direito maior de poder usufruir como quiser do SEU dinheiro e, principalmente, ter este sempre no seu bolso.
É claro que só a reforma não mudará a maneira como se olha e quanto se paga por certos trabalhos, mas acredito que seja um começo.
E quando as pessoas começarem a acreditar que é possível viver muito bem sem a "proteção" do Estado, deixando este cuidar só do que realmente lhe diz respeito, aí sim o dia do trabalho poderá ser comemorado de verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário !
espero que tenha gostado do que leu!