quinta-feira, 15 de março de 2018

Verdes amarelados, Amarelos avermelhados

Continuando o último post, sobre o semáforo da alimentação, passemos à aula 2.
Tudo estava muito facinho, né? Vamos complicar um pouquinho.
Agora que vocês já entenderam a divisão dos grupos vamos falar das nuances de cada um deles.
Dentro de cada grupo há os alimentos que estão meio que no conjunto interseção. Não sabem bem se pertencem a um grupo ou a outro, estão com um pé lá e um cá.
Mas antes de falarmos desses "indecisos" vamos falar um pouco sobre a procedência dos alimentos subdividindo-os em outros grupos :
Excelentes, Ótimos, Bons, Ruins e Péssimos .
Nosso objetivo é não comer nada dos 2 últimos e tentar ficar o mais perto possível dos de excelente procedência, porém não podemos deixar que os bons e ótimos sejam inimigos dos excelentes e nem briguem entrem si.
Se você hoje come um péssimo e passa a comer um bom, já é um avanço e tanto.
Nas grandes cidades, principalmente no Brasil o acesso a alimentos ditos excelentes (e muitas vezes até aos  ótimos) é caro e muitas vezes difícil, então não se frustre por ficar no grupo dos bons e ótimos, ok?

Essa escala vai daquele alimento que você tem certeza absoluta da procedência (excelente): aquele frango do quintal da sua tia e o ovo que a galinha dela põe, sabe? , passando pelos orgânicos industrializados (ótimos): vendidos nas lojinhas naturebas e hortifrutis e pelos alimentos integrais (bons):  inteiros, do jeito que a natureza fez mas que não são orgânicos e chegando até aqueles ruins como granolas , barrinhas de cereais e iogurtes açucarados ( sim, isso é bemm ruim) e aos péssimos, como por exemplo o macarrão instantâneo e toda sorte de fast-foods.

Tendo como referência o post passado, a categoria amarela é a mais importante de ser aprendida.
Durante muito tempo nós fomos (e ainda somos) enganados por marketing e embalagens que nos fazem acreditar que aquele produto/alimento é saudável.
É importante verificar bem se um alimento que você julga ser amarelo não é na verdade um vermelhão fantasiado.
E como se vê isso?
Bom, a leitura correta do rótulo é essencial e sobre isso eu vou falar tim tim por tim num outro post, mas as regrinhas básicas são as seguintes :

  • De cara bata o olho na lista de ingredientes, se ela for imensa, é porcaria! Não compre!
  • Se tiver mais de 4 ingredientes que você não consegue pronunciar, é porcaria! 
  • Se entre os ingredientes tiver XAROPE DE MILHO, HCFS, MSG (glutamato monossódico), HVP (proteína vegetal hidrolisada), GORDURA HIDROGENADA ou PARCIALMENTE HIDROGENADA é porcaria das brabas! Não compre de jeito nenhum!!!
  • Se na tabela nutricional constar mais de 6g de açúcar por porção, é porcaria!
  • Não compre nada que tenha um número (red 5, amarelo 3) na lista de ingredientes.

Se habitue a ler os ingredientes. No começo você vai demorar um tempão no supermercado, mas depois vai ver que fica fácil.
Outra dica é : Evite passar pelo meio do mercado, é lá, nas prateleiras, que costumam ficar os piores alimentos. Os alimentos bons e ótimos ficam na periferia, nas laterais.

E a regra mais simples de todas é EVITE COMPRAR QUALQUER ALIMENTO QUE TENHA RÓTULO. Prefira os alimentos in natura.

Atenção, atenção e atenção é a regra de ouro. Cuidado com o que se come. A comida barata e de má qualidade pode se transformar em gastos absurdos com a saúde mais tarde. Não custa nada gastar uns minutos a mais para prestar atenção ao que se leva para a dispensa e para a mesa. 

Boas compras e até o próximo post




segunda-feira, 12 de março de 2018

Bora começar?

A pergunta que eu mais escuto dos meus amigos desde que eu decidi me tornar a Coach de saúde oficial da galera é "por onde eu começo?"
Para começo de conversa, quem faz essa pergunta nem sabe, mas já começou! A real mudança começa quando se admite o "problema" e se propõe a mudar mas vamos para a resposta prática:
Comece pensando no que é comida para você.
Sabe quando a gente passa alguns dias de férias, comendo sanduíche e de repente dá aquela saudade de comer uma "comida caseira"? comida de verdade?
Então! é por aí que se começa, comendo comida de verdade. Aquela que sua bisavó reconheceria como comida. E bebendo ÁGUA!
A gente não precisa ficar pensando muito quantas calorias isso ou aquilo tem, se isso tem ou não gordura saturada (até porque isso não importa, mas é assunto para outro post), quando se está comendo COMIDA!
Um bom prato de comida tem tudinho o que a gente precisa para se nutrir bem e ficar saudável. O problema só começa quando o nosso conceito de comida está errado.
Sabe aquela caixinha de nugget? então, não é comida!
Aquele prato que você compra congelado e é só colocar no microondas também não é! Parece comida, tem sabor de comida mas se você virar a embalagem e olhar os ingredientes verá que ali tem tudo, menos comida de verdade.
Para ficar mais fácil de se entender o que é comida de verdade e por onde se deve começar quando se quer ter uma alimentação mais saudável, vamos dividir os alimentos ( e as coisas que parecem alimentos mas são só substâncias comestíveis) em 3 grupos : VERDE, AMARELO e VERMELHO, como num sinal de trânsito. Bem didático, bem facinho para vocês inclusive ensinarem para as crianças da família.
Como num semáforo, as cores significam : vai na fé!; atenção (use com moderação) e pare (e pense!)

VERDE
O grupo de alimentos verde é aquele composto por alimentos integrais, no sentido literal da palavra, aqueles que não foram processados, que estão INTEIROS, do jeitinho que a natureza colocou no planeta. Alimentos que você pode pegar da natureza e comer, cru! mesmo que você prefira cozinhar.
São:
  • frutas
  • folhas
  • vegetais
  • carne, peixe, frango*
  • ovos*


  • Lembre-se, você pode preferir cozinhar, mas tem quem coma cru. Os alimentos desse grupo devem compor pelo menos 60-70% do seu prato. Se for 100%, excelente!

  •  
    AMARELO 
    O grupo de alimentos amarelo é aquele composto por alimentos minimamente processados. Aqueles que você não consegue passar por uma plantação, colher e colocar na boca ou que o animal não te dá "direto" mas ainda assim, que venham da natureza e não de uma fábrica.
    São alimentos que precisam ser cozidos ou preparados de alguma forma. São eles :
    • queijos
    • grãos
    • sementes e castanhas
    • azeites
    • feijões e leguminosas
    • iogurtes
    • pães e massas em geral.

    VERMELHO
    E finalmente, o grupo vermelho, que é aquele composto pelos alimentos ultra processados, o que eu nem chamo de alimento, chamo de substância comestível. Normalmente são aquelas guloseimas gostosas pra caramba (juro que eu nem acho mais 😝), cheias de açúcar, gordura hidrogenada e farinha branca:
    • biscoitos
    • bolos
    • pão branco
    • salgadinhos
    • chocolate ao leite
    • bebidas açucaradas (refrigerante, suco de caixinha, gatorade) 
    • carnes processadas (nugget, hambúrguer, salsicha). 
    O melhor a se fazer é não comer nadica de nada disso aí, nunquinha, mas como ainda estamos numa fase de transição e nem sempre é fácil fugir de tudo isso, até porque muitos comem na rua e sabemos que restaurantes se valem muito desses "alimentos", procure não deixar que essas coisas componham mais de 10% do que você come diariamente.

    Aii mas eu nunca mais vou poder comer aquele podrão ou o pudim de leite condensado maravilhoso da vovó? Calma!!! Pode! A regra a partir de agora é mudança no estilo de vida e estilo de vida é o que você faz a maior parte do tempo. Então, pode sim, de vez em quando, sair da rotina, mas de vez em quando não é todo fim de semana, tá?

    No próximo post a gente fala sobre as nuances de verde e amarelo  e rótulos!


    *De acordo com o Dr. Sears Wellness Institute, carne, frango, peixes e ovos são alimentos do grupo amarelo pois a procedência destes, nos Estados Unidos é, normalmente, muito ruim (gado alimentado com trigo, frango cheio de hormônio (que põem ovos igualmente modificados) e peixes de fazenda, também alimentados com trigo. Porém, eu os incluo no grupo verde porque separo os alimentos por categoria (do mais natural ao menos natural) e porque acho que temos que observar a boa procedência de tudo o que consumimos.

    sexta-feira, 2 de março de 2018

    Mudou!

    Gente querida,

    Como muitos de vocês sabem , há alguns anos tudo mudou na minha vida e, como devem ter percebido, quase não escrevo mais.
    Acho que isso se deve muito ao fato de que muitas das minhas angústias desapareceram (ainda bem, né?!).
    Aquela Taninha que escrevia o rapadura é doce mas não é mole não  mudou. A minha vida mudou.
    Casei, mudei de país, mudei de profissão, descobri o que é o amor incondicional e experimentei a dor  avassaladora de se perder um bebê. 
    Há pouco mais de 3 anos eu vivo entre a alegria de estar vivendo do jeito que eu sempre quis e o coração apertado de saudade da família, dos amigos, da praia... Tudo isso me fez crescer muito, me espiritualizar, olhar pra dentro e querer cada vez mais ser um SER melhor e preparar meu corpo e minha alma para a maternidade. 
    Nessa busca eu descobri e me apaixonei por um mundo diferente - o da nutrição do corpo e do espírito. 
    Tenho lido e pesquisado muito, fiz cursos e me tornei uma CERTIFIED HEALTH COACH pelo Dr. Sears Wellness Institute. O estudo não cessa e cada vez mais eu vejo que ainda sei pouco, mas o pouco que sei eu quero compartilhar e tornar melhor a vida do máximo de pessoas que eu conseguir alcançar. 
    Para tal eu conto com a ajuda dos amigos que sempre me prestigiaram lendo sobre sobre minhas angústias e dúvidas no blog antigo para compartilhar e ler também as dicas de saúde e bem-estar que vou começar a escrever por aqui. 
    Quero também ajudar a espalhar as notícias da boa ciência e contar pra vocês o que não é "beeemmm assim" como sugerem as manchetes sensacionalistas. Trabalho feito com maestria nos podcasts da Tribo Forte pelo Rodrigo Polesso e pelo  Dr. José Carlos Souto 
    Aliás, eles foram uma das fontes de inspiração para que eu começasse essa jornada em busca da saúde e do bem estar da minha família. 

    Pelo  Dr. Sears Wellness Institute me especializei em  Bem-estar/ Saúde/ Nutrição de Grávidas (desde quando são tentantes até depois de ter o bebê) num programa chamado L.E.A.N. Expectations  e  também no que eles chamam de  Prime-Timers Health, que nada mais é do o bem-estar e saúde de adultos na segunda metade da vida. Quando isso começa? Bem...aí depende de como vem levando sua vida até agora, pode ser aos 40 ou aos 25.
     Além disso agora me considero uma pesquisadora da área. Como já mencionei, o estudo não cessa e eu tenho a-ma-do isso! Devoro todo o conteúdo que encontro pela frente e ando cada vez mais revoltada com a cara de pau que a indústria alimentícia e farmacêutica nos engana.
    Uma amiga minha vive dizendo que eu preciso fazer um documentário chamado "Os Enganados", falando dessas safadezas que nos fazem acreditar. Quem sabe?
    Por enquanto vou mesmo só escrevendo e tentando alertar os amigos (e os amigos deles, e os amigos dos amigos deles).
    Já já começa! Conto com a ajuda de vocês nessa nova jornada.
    Gratidão!
    Taninha